27.12.10

never say never

sinto-me uma mentirosa compulsiva. um vazio. um estalo na respiração que vai mostrando fraqueza aos poucos. gostava de não te deixar entrar mais nas portas que dão acesso à minha vida, mas tem-se tornado difícil combater certos desejos internos derivados de um coração de manteiga que arde e congela quando ouve falar do teu nome. a mentira entra aqui porque a minha cara mente. tem mentido. um sorriso? uma expressão fictícia. pelo menos não verdadeira no que toca a assuntos emocionais.
deixei-te durante meses para trás das costas. talvez, via-me capaz de ser mais rija que tu. sempre o fui, até ver. o que é certo é que tenho água a rebentar nos olhos que quer sair e eu continuo a fechar a torneira e não deixo que nada passe, só para não magoar. só para esquecer o que não tem de ser sofrido. é pena, que não estejas aqui para ver a merdice que me proporcionas-te ao fim de 14 meses de pura obsessão e fantasia.

10 comentários:

  1. O mais complicado não é bater com as portas, é deixá-las fechadas quando a saudade aperta, não é?

    ResponderEliminar
  2. está lindo, lindo, lindo *
    vou seguir :)

    ResponderEliminar
  3. Não te intas assim. Muita força querida, beijo *

    ResponderEliminar
  4. O meu? ahah aquilo não é nada querida.
    Revoltei-me. Tou sem inspiraçao :b

    ResponderEliminar
  5. uhum, os amigos fazem muita falta!

    ResponderEliminar
  6. Também eu já partilhei 8 meses de pura obsessão e fantasia, também eu sei o que é a mentira compulsiva, também eu tive fantasmas atrás de mim vários tempos. Facilmente refiz a minha vida quando fui realmente ao reencontro de quem era antes dessa pessoa aparecer. Já me é indiferente, mas inesquécivel, pela lição de vida que foi. Agarro os erros como lições de vida e sigo. Eu percebo-te, e nem te conheço.

    ResponderEliminar
  7. O texto é meu, a imagem é que é dele. Viver todos os dias cansa já li. Desde que leio dele que só quero acabar a colectânea. li "O mundo é tudo o que acontece", "viver todos os dias cansa" "Noive Judia" e "Muito,meu amor". Quero mais que tudo ler o "Asfixia". Pedro Paixão tem uma escrita que me identifica. Adoro. E obrigado pela retribuição.

    ResponderEliminar